Avisos Agrícolas - Avisar para melhor prevenir

15 março 2021

Os Avisos Agrícolas são boletins técnicos, contendo informação cientificamente fundamentada e oportuna, sobre prevenção e tratamento de doenças e pragas das culturas agrícolas. Um conceito que tem evoluído ao longo dos anos.

Concebidos, durante muito tempo, numa óptica estritamente económica, procurando a proteção mais eficaz ao menor custo, com o progresso do conhecimento científico, os avisos foram incluíndo a divulgação de novas estratégias de proteção das culturas, sem perder de vista o objectivo económico, mas procurando aumentar a sua eficácia e abrangência.

Assim, foram sendo incorporadas informações sobre métodos culturais e preventivos, a preservação e fomento da fauna auxiliar, a salvaguarda da biodiversidade, a redução dos impactos negativos dos pesticidas no ambiente. Tem-se também dado destaque a técnicas e procedimentos que evitam o aparecimento de resistências aos fitofármacos e de resíduos nos produtos agrícolas.

 QUEM OS PRODUZ E DIVULGA?

A Região Agrícola de Entre Douro e Minho, antiga província que corresponde no essencial à Região Demarcada dos Vinhos Verdes, é servida pela Estação de Avisos de Entre Douro e Minho desde 1978, ano em que emitiu o primeiro Aviso para o tratamento da Vinha, cultura de dominante importância económica e social na Região.

Este é um serviço público do Estado, integrado na DRAPNorte, do Ministério da Agricultura, com funções eminentemente técnicas. Além da estrutura central, administrativa e laboratorial, a Estação de Avisos é composta por uma rede regional de estações meteorológicas e de postos de observação biológica.

As estações meteorológicas fazem a leitura automática e registo dos diversos parâmetros meteorológicos - temperatura do ar, chuva, humidade relativa do ar, geadas, direção e velocidade do vento, horas diárias de luz. Os dados recolhidos são centralizados, em tempo real, numa plataforma informática, onde podem ser consultados, tratados e analisados.

Outra componente essencial do serviço é formada pelos observadores biológicos voluntários, organizados numa rede regional, abrangendo as culturas mais representativas. Estes procedem regularmente ao registo e envio de observações sobre o desenvolvimento das culturas e dos seus diversos inimigos.

OBSERVAÇÃO, ANÁLISE, PREVISÃO

Por outro lado, os técnicos da Estação de Avisos deslocam-se regularmente a locais determinados e representativos - os postos de referência. Ali procedem a observações minuciosas e abrangentes sobre a evolução das culturas, das pragas e das doenças.

Toda a informação obtida por estes diversos meios é diáriamente registada, tratada e analisada de acordo com metodologias específicas dos avisos, que permitem prever, com maior ou menor antecedência, os riscos possíveis. A previsão baseia-se, assim, no conhecimento adquirido sobre a biologia das pragas e doenças, - a partir do qual se criou um conjunto de métodos específicos para delinear a previsão.

Em cada momento, é necessário, para estabelecer uma previsão segura, obter informação em tempo real da fenologia dos hospedeiros, da biologia dos parasitas, das condições meteorológicas locais. Têm-se ainda em conta as características dos meios culturais e preventivos ou de luta directa a utilizar.

Os avisos são divulgados pelo correio eletrónico, directamente a todos os assinantes. São também disponibilizados nos portais da DRAPNorte, da DGAV, da CVRVV e de muitas outras instituições sócio-profissionais agrícolas.

Carlos Coutinho Conceição - DRAP Norte

a pesquisar